Página Inicial > política > As reféns de toda a injustiça deste mundo

As reféns de toda a injustiça deste mundo

Imagem: FinalMetal Art

Em 13 de outubro de 2008, depois de uma semana da cobertura-espetáculo da mídia e sua habitual sede de sangue, José Serra – então governador de São Paulo – resolveu dar um basta naquilo que podia comprometer sua imagem na caminhada rumo ao Planalto em 2010. Deu ordens para que a PM acabasse com o episódio “Eloá” de uma vez por todas. A inesperada ação de guerra, com tiros e bombas seguidos de invasão pela porta e janela do apartamento onde Lindemberg Alves, inconformado com a separação, mantinha a ex namorada e sua amiga como reféns, induziu o rapaz a atirar nas meninas. Eloá morreu e sua amiga Nayara foi gravemente ferida.

Não estou aqui defendendo o assassino. Mas quem se lembra do episódio que martelou a opinião pública nas rádios, jornais e TVs a nível de um BBB durante 5 dias, sabe que tudo caminhava para a rendição do rapaz e a libertação das moças sem que ninguém saísse ferido. Lindemberg já dava claros sinais de esgotamento físico e psicológico. Àquela altura, sua rendição era uma questão de pouco tempo. Tanto que, numa atitude sem precedentes, a própria PM autorizou Nayara – que já tinha sido libertada por Lindemberg – a retornar ao apartamento para finalizar as negociações com o rapaz. Eloá morreu pelas mãos de um idiota, inconformado por ter perdido a namorada. Mas quem acionou o gatilho foi a ação desastrosa da PM paulista comandada por um político sem escrúpulos e obcecado em ser presidente.

A cada 5 minutos, uma brasileira é vítima de agressão passional ou sexual. Além dos casos espetacularizados pela mídia, há milhares de anônimas, menores de idade e crianças vítimas de namorados, maridos, pais, parentes, vizinhos… Uma dessas milhares de vítimas – Maria da Penha, acabou dando seu nome a uma lei que pretende inibir os ataques às mulheres. Para quem não sabe, a Lei Maria da Penha, acaba de ganhar um complemento que permite à justiça indiciar o agressor de uma mulher mesmo que ela não o denuncie. É um avanço pequeno, quase que irrelevante, diante do enorme problema da violência contra a mulher no mundo inteiro e particularmente no Brasil, o reino da impunidade.

Se Naji Nahas, Daniel Dantas, ou Paulo Maluf – esse então nem se fala (“tá com desejo sexual? estupra, mas não mata”) – agredirem uma mulher, vão em cana? Levanta o dedo quem não souber a resposta! Pra usar uma figura de linguagem bem bobinha até: todos esses tem um supremo presidente do supremo na manga.

E se um ex-morador do Pinheirinho agredir uma mulher? Melhor não pagar pra ver. Por muito menos que isso, Alckmin ferrou a vida deles e a de seus filhos. Sim, porque agredir uma mulher é um crime muito, mas muito mais grave que invadir um terreno abandonado, viver nele por 8 anos, construir sua primeira casa própria tijolo por tijolo, e nela comemorar os 8 aniversários do seu filho mais velho.

No Brasil, agredir ou matar uma mulher “não dá em nada”. De que adianta uma lei que denuncia crime e criminoso mas não leva à punição do infrator? Sim, porque nem assassinatos a justiça pune – que dirá agressões. Que dirá, ainda, agressões às mulheres num país machista como o nosso. Ou alguém considera justo 5 anos de prisão – que é a pena máxima REAL (1/6 de 30 anos) – serem o castigo ideal para crimes como assassinar mulheres ou crianças de forma hedionda, premeditada, por motivo torpe e sem dar nenhuma chance de defesa?

No crime passional praticado pelo homem, há uma atenuante chamada “defesa da honra”. Os machos em geral dão tapinhas nas costas e perdoam o sujeito por ter defendido sua honra e matado a mulher que “lhe meteu chifres”. São comuns os casos onde o homem é obrigado a castigar a adúltera publicamente. Em muitos casos, juízes os absolvem ou os condenam a penas que mais parecem férias prolongadas. Sobram exemplos: desde os que envolvem famosos, até os que acontecem longe das capitais, onde a mulher é tratada como um sub-produto social. Por outro lado, até pouco tempo atrás, era permitido ao homem ter uma amante – desde que financiasse suas despesas básicas. Daí surgiram termos como “manteúda”.

Somos civilizados aparentemente. Mas, no fundo, muitos machos ainda seguem instintos primatas: a selvagem lei do mais forte – onde, fisicamente, a mulher é mais fraca. Na África pratica-se o “estupro corretivo” em lésbicas. Em alguns países árabes, pedófilos acusam a menina estuprada de tê-los seduzido – o que pode levá-la à morte por apedrejamento. Em outros, marmanjos com 30 anos de idade casam-se com meninas de 5, 6, 7 anos… Levam pra casa e, segundo suas leis, “podem brincar de tudo”, menos penetração. (A penetração só é permitida depois da primeira menstruação.) Absurdo? Revoltante? Sim – mas, ao menos fazem isso diante de toda a sociedade, de acordo com suas leis e costumes. Aqui se faz o mesmo, porém de forma velada, hipócrita. Em alguns lugares, qualquer um pode comprar e levar a filha de uma família pobre.

A violência contra a mulher no Brasil é cultural. A banalização do corpo é uma das causas. Os apelos que vão desde o mercado das cervejas, até as capas de revistas que abundam bundas nas bancas de jornal. Outra coisa que nos esbofeteia diariamente é a sexualização precoce das meninas que as TVs, descomprometidas por falta de um marco regulatório, promovem a fim de aumentar o mercado de consumo da beleza artificial. Tudo isso faz da mulher um objeto sexual descartável. E as leis terminam o serviço pela impunidade: Maria da Penha foi espancada diariamente pelo marido durante seis anos de casamento. Por duas vezes, ele quase a matou. Na primeira, com arma de fogo, deixando-a paraplégica, e na segunda, por eletrocussão e afogamento. Levou 20 anos para ser julgado até que, finalmente fosse condenado. A pena do machão? Dois anos de prisão.

Podia listar aqui centenas de casos de injustiça contra as mulheres e a complacência social e jurídica aos seus carrascos. Estaria dando murro em ponta de faca. Além do machismo cultural predominante, as leis e punições no Brasil são um convite ao crime. Pobres Marias da Penha, Eloás e tantas outras de nomes diferentes e tragédia igual – reféns de toda a injustiça deste mundo.

  1. 02/11/2012 às 22:08

    O QUE VOCE ACHA DE MULHER QUE BATE NA CARA DE HOMEM SEM MAIS NEM MENOS

    • 02/11/2012 às 22:11

      Sexualmente interessante, desde que não se torne um hábito constante nas preliminares

  2. TANIA MAURA GOMES
    26/02/2012 às 13:47

    Companheiro,eu estava lá do lado da mãe da ELOÁ,dona CRISTINA,E O QUE NINGUEM SABE É QUE O TENENTE QUE ESTAVA A FRENTE DO CASO INICIAL,FOI AFASTADO PELO GOVERNADOR,POIS SE RECUSOU A CUMPRIR O QUE ELE PEDIU,PARA QUE O MENINO FOSSE TIRADO COM VIDA..TIVERAM VÁRIAS VEZES COM ELE NA MIRA,NÃO FOI CORTADA ÁGUA,NEM LUZ,E A PLIM PLIM COBRIU TUDO.DEU AUDIÊNCIA,UM REALITY SHOW,SANGRENTO E O PRÓPRIO TENENTE ANTES DE SAIR DESPEDIU-SE DE NÓS DIZENDO:O GOVERNADOR ENTROU NO MEIO..

    • 26/02/2012 às 13:52

      Seria muito bom se este tenente pudesse aparecer e dar seu testemunho! Serra e Alckmin são iguais: como não têm nenhum compromisso com o povo, partem para a violência.

  3. LUIZ NELMO BETELI
    17/02/2012 às 16:35

    Só para complementar, me referi aos dois primeiros parágrafos do seu texto.

    • 17/02/2012 às 18:43

      Sr Luiz Nelmo,
      Assim como o governador Alckmin é o atual Comandante Em Chefe da PM de SP e, portanto, responsável pela ação violenta de sua polícia em casos como o massacre em Pinheirinho e as agressões na USP, José Serra ocupava o mesmo cargo quando a mesma PM provocou o trágico desfecho do caso Eloá. Aliás, neste caso, há um agravo de irresponsabilidade inédito em toda a história da humanidade: onde já se viu a polícia – que está aí para proteger o cidadão – permitir a volta de uma refém ao cativeiro, como foi o caso de Nayara, a amiga da assassinada também acabou sendo baleada?

  4. LUIZ NELMO BETELI
    17/02/2012 às 16:34

    É o que eu sempre digo, quem tem tendência política neste país não tem cérebro confiável para analisar o que quer que seja, porque sempre vai culpar o adversário por tudo o que acontece de errado no mundo.

  5. Belmiro Machado Filho
    16/02/2012 às 20:39

    Caro Roni:
    Parabéns pela qualidade do texto.

  6. Rose
    15/02/2012 às 01:00

    “Representação de um grande escritor (reconhecidamente o maior da literatura brasileira) que era pardo como branco, num país onde o racismo e o próprio Estado (com suas forças policiais tratam jovens negros como suspeitos), onde faltam modelos positivos de negritude para as crianças brancas e negras nas escolas é = a ‘questão menor’

    Uma propaganda que trata as mulheres como motoristas ruins, gastadoras, irresponsáveis e exploradoras que usam da sedução do seu corpo pra enganar os trouxas, num país onde as mulheres não apenas são a maioria da força produtiva como são alvo de violência simbólica e física é igual a ‘questão menor’.
    Pera, o que é mesmo questão maior?”

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 2.970 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: